Um poço de lama. Alguns grãos de desejos. Um oásis de esperança. Um deserto de desespero.

domingo, 14 de setembro de 2008

Para Esvair


Quero escrever para explodir
Concentrar a música nos ouvidos
Dissipar as críticas
Esquecer quem sou
Para não ler os poemas de outrem
Fingir não ver meus erros
Fingir que estou num caminho seguro
Enganar-me com os ferimentos abertos
Contentar-me com as partidas agendadas
que na fadiga crescente,
da crucificação diária de cada olhar,
do martelar das palavras,
do achar de uns,
do querer de outros,
me desespero nadando pelo deserto do fundo do mar
Escrevo para esquecer de procurar as respostas para minhas dúvidas
Para adiar o dia do encontro final
Para mudar a essência
Caminhar vagarosamente
Eliminar os flagelos
Traçar retas, sem paralelos
Fugir a todo tormento,
a todo momento

Um comentário:

Laís Eva disse...

rsrsrs

ficou ótimo o slide.

=)