Um poço de lama. Alguns grãos de desejos. Um oásis de esperança. Um deserto de desespero.

segunda-feira, 15 de setembro de 2008

Numa Noite


O silêncio me machuca em cada chegada,
em cada despedida
Onde fora você?

A saudade latente
alongada pelas horas arrastadas
não fora suprida
Lágrimas desperdiçadas!?
E sua casa?
E nossa partida?

Como se nada tivesse acontecido
Você cruza
Mais uma vez eu fiquei
Sem uma noite, só
Escondido na minha máscara,
que todo o medo mascara
Você sorrir,
minha dor

Você figurara
Como mera conhecida
Apenas uma menina que encontrei algum dia na esquina

E meu coração te arrebatou
Como o sonho inacabado
No meu quarto tudo ficou,
como em cada temor,
como em cada amor,
como em cada partida

2 comentários:

Anônimo disse...

"as esquinas nunca mudam de lugar."

wanessa disse...

"A vida ficou fácil para mim, e tanto mais fácil por exigir de mim o mais difícil"(Nietzsche)

:)
lindo