Um poço de lama. Alguns grãos de desejos. Um oásis de esperança. Um deserto de desespero.

quinta-feira, 4 de setembro de 2008

No meu Quarto


Detrás da porta
um par de chinelos descansa ao lado de alguns CDs e toca-fitas
A fraca luz do abajur proporciona a penumbra ideal
Para uma noite de melancolia, para uma noite de reflexão

Sobre as estantes, os livros
Nas prateleiras, algumas fotos
Por cima do móvel marrom, a vida virtual
Agrilhoados na parede branca,
manchada com alguns poemas de pouca importância,
um quadro, dois cartazes, três chapéus, um porta retrato
estes repousam tranqüilos
baratos, esquecido, guardados

A janela coberta por uma fina cortina
está logo acima da cama
Na mesa de estudo,
um mapa, algumas cartas, um pijama
dividem espaço com o amplificador, que está logo abaixo, na decoração
O violão, as bolsas e a solidão
ganham também algum espaço nessa pouca imensidão

Sobre os fios que correm para cima do teto
Um outro punhado de CDs se descolam
Mais uma vez o garoto dorme
Neste quarto terraço, sua origem, seu laço

5 comentários:

Lella disse...

teu quarto é uma bagunça!
=p
mas o menino que dorme nele já faz parte do meu coração...

Montarroyos disse...

:)

Que feliz!

Que feliz

Anônimo disse...

"no teu quarto"

Yan Santos disse...

Tem muita coisa num quarto...
Entre tanta bagunça
Conseguimos encontrar versos
E dessa bagunça um pouco de limpeza poética...
Alma bagunçada...um pouco por demais...

wanessa disse...

lindoo..
teu quarto é um recanto maravilho..
bjos..queijos..flores