Um poço de lama. Alguns grãos de desejos. Um oásis de esperança. Um deserto de desespero.

quinta-feira, 23 de outubro de 2008

O caminho para algum lugar


Quando o céu resolver cair
Você vai encontrar um caminho de volta
Os crucifixos estão sendo quebrados
É essa vida que se arrasta
Drogas para esquecer o subúrbio de nossos corações
Ópio para estacionar essa fome de desejo
Estou cantando a nossa canção
As árvores mortas são para você, querida
As sementes envenenadas, para mim
E se continuássemos vivos?
Os bebês ainda virão
Nosso futuro realmente estancou
É essa estrada muito esburacada
Minhas pernas, recém-mortas
Teu sorriso, por demais, triste
Nossas mãos não estão dadas
Você está de costas
São meus pulmões enegrecidos
Que não tragam mais a vida que você respira
É meu coração partido, que partiu
Que dissipa o teu amor
Sozinho neste escuro
Queimando cada papel escrito
Às vezes me rasgo
Em cada palavra de amor
Mas os padres não estão aqui para me ver
Queira, por favor, ligar a televisão
É tudo isso que me corrompe
São os meus amigos
Sou eu mesmo
Gostaria de estar com você
Talvez assim eu entendesse como meu câncer se alastrou
Abonar cada falta, como se nunca estivesse acontecido
Negar todo encontro errado
Lembrar os momentos felizes
Mas minha memória já não me ajuda
E quando é que vou parar com tudo isso?
Afaste-se de mim
Deixe-me caminhar
Neste maligno atalho
Escolhido sem compromisso
Escolhido sem mim mesmo, sem você
Que fora indicado por aqueles que partem
Sem sentir o vazio daqui
Desprezando esse nada que brotou
Nesse agente da dor
Na experiência de existir

6 comentários:

Laís Eva disse...

=(

Lella disse...

kleber, por que teus textos sempre são tão carregados?

Montarroyos disse...

Por que escrever é uma necessidade para mim. Não um diversão!

:)

:(

Anônimo disse...

"O poeta é um fingidor, finge tão completamente que chega fingir que dor, a dor que deveras sente"
(Fernando Pessoa)

...Mas você é uma farsa!!!
Tuas atitudes, tuas amizades, teus relacionametos, tudo de mentira, tudo na mentira, não és quem dizes ser, e lamento por ter pensado um dia ser você a resposta para as minhas indagações, Zombe, Esconda-se (de mim), porém não conseguirás fazer o mesmo com tua essência( se é que realmente a tens) com tua consciência, Tudo está consumado! Que FARSA te tornaste.

Montarroyos disse...

Farsa?

Talvez.

Não para mim.

Talvez para você.

Quem sabe para aqueles que apenas me observam.

Quem sabe pelos que me ouvem.

Quem sabe pelos que me tocam.

É... posso ser uma.

Como dito, escrevo por necessidade. NÃO PARA SER ENTENDIDO POR NINGUÉM, TÃO POUCO PARA OUTROS SE ENCONTRAREM ATRAVÉS DE MEUS ESCRITOS.

Lamento por você ter pensado que sou a resposta para seus conflitos. Nem eu me encontro. Imagine encontrar os outros.

Se você agora lamenta isso, eu só tenho a lamentar duplamente, por você ter chegado nessas condições, de achar que, por mim, você podia se encontrar.

Ao menos eu assumo uma personalidade. Farsa ou não, não importa, tenho uma. E você que a mim se dirige utilizando-se de identidade alguma?

Perdoe-me, meu caro amigo, mas tenho que lhe dizer: "Não devemos servir de exemplo para ninguém. Devemos servir de lição"!

O que escrevo é o que sinto. Importando ou não.
Não quero ser referência.

De minhas farsas cuido eu.

E, por isso, vivo me perguntando: que importa ser alguém, quando esse alguém se esconde de mim?

Encontre a si mesmo meu caro rapaz. Não busque nos outros os personagens de seus contos de fadas.

Esqueça o que sou. Leia meus escritos por se identificar com eles, e não para entender o que minha essência (se é que tenho, não é mesmo?) tenta revelar.

Enfim, não deveria nem esta, aqui, perdendo meu tempo. Vai ver que estou agindo como o cara da música de Renato: "Provar pra todo o mundo que eu nao precisava provar nada pra ninguém!

Aqui termino. Com o suave sentimento de pena, escárnio, que uma pessoa desiludida procura me comover.

Atenciosamente, Montarroyos.

wanessa disse...

sempre.. sempre me identificando em algum ponto com teus poemas...

mleio todos, mesmo que não deixe recado :)

Adoro me envolver nnos teus poemas!!!
me transporto, vivo uma farsa quase q real, :D

bjuuuuuu