Um poço de lama. Alguns grãos de desejos. Um oásis de esperança. Um deserto de desespero.

terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

Calúnias


Escrever na hora certa
as palavras que tem que ser ditas
a todo custo a alguém que se ama
Injurias, calúnias
Não querer mais você por perto
Uma decisão não informada...
E eu dedico pedaços de minha vida
tentando entender o porque de sua partida

Você não me deixou pistas
E essa estrada é tão triste
Tento te falar o desejo de meus lábios
O fulgor de meu pensamento
Mas você vira as costas
Corre, congela...
Se apaga, me deleta...

2 comentários:

Psycho Killer Strange (Leli¹³ Tenebra) disse...

Seus textos são admiráveis. E adoro as imagens que posta aqui.
Seu blog eh perfeito.^^

Bjo.s da Rox.a ;)

Anônimo disse...

"Tento te falar o desejo de meus lábios
O fulgor de meu pensamento
Mas você vira as costas"

Você Virgílio, você é um poeta de grande densidade psicológica, no entanto, não sei se finges que finge, e falas a verdade; ou se simplesmente finges. Todavia receio ser um tanto quanto tarde para tal reflexão, concordas?, Grandes projetos, Momentos finais,Poemas não lidos, Esquecidos...
Tudo é estranho,as comuns verdes vertentes, os sombrios corredores, os espelhos e olhares, tudo que sempre foram um nada!